Buscando sua recomendação, aguarde...

Principais indicadores econômicos: conheça mais sobre eles

principais indicadores econômicos
Imagem: Canva

A situação e o desempenho da economia de um país, região ou setor são refletidos por dados estatísticos que são dados econômicos. Além disso, eles são importantes para analisar as tendências, os cenários e as oportunidades de negócios, além de auxiliar na tomada de decisões estratégicas.

Sendo assim, neste artigo, vamos apresentar os principais indicadores econômicos que você precisa conhecer e acompanhar para entender melhor o contexto econômico e tomar decisões mais assertivas. Confira!

O que são indicadores econômicos?

Indicadores econômicos são números que representam aspectos relevantes da economia, como o nível de atividade, o consumo, a inflação, o desemprego, o comércio exterior, entre outros.

Portanto, instituições públicas ou privadas calculam esses indicadores com base em dados coletados de diversas fontes.

Os indicadores econômicos podem classificar-se em três tipos, de acordo com o momento em que eles refletem a situação econômica:

  • Indicadores antecedentes: são aqueles que antecipam as tendências da economia, ou seja, indicam o que pode acontecer no futuro. Exemplos: índice de confiança do consumidor, índice de expectativas dos empresários, taxa de juros futura.
  • Indicadores coincidentes: são aqueles que refletem a situação atual da economia, ou seja, indicam o que está acontecendo no presente. Exemplos: produto interno bruto (PIB), taxa de desemprego, índice de preços ao consumidor (IPC).
  • Indicadores retardados: são aqueles que refletem a situação passada da economia, ou seja, indicam o que aconteceu no passado. Exemplos: taxa de inadimplência, saldo da balança comercial, índice de endividamento das famílias.

Quais são os principais indicadores econômicos?

Os gestores e investidores podem acompanhar diversos indicadores econômicos. A seguir, vamos destacar alguns dos mais importantes e explicar o que eles significam e como se calculam.

  • Produto Interno Bruto (PIB): é a soma de todos os bens e serviços finais produzidos em um país, em um determinado período. Sendo assim, ele representa o tamanho e o crescimento da economia. O PIB é calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a partir das contas nacionais.
  • Taxa de inflação: é a variação média dos preços dos produtos e serviços consumidos pelas famílias. Ela representa o poder de compra da moeda e o custo de vida da população. Sendo assim, diversos índices, como o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), o Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) e o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), calculam a taxa de inflação.
  • Taxa de juros: é o custo do dinheiro no mercado financeiro. Ela representa o retorno exigido pelos investidores para emprestar ou aplicar seus recursos. A taxa de juros é determinada pelo mercado e pela taxa básica de juros da economia, a Selic, que é definida pelo Banco Central (BC).
  • Taxa de câmbio: é a relação entre o valor da moeda nacional e o valor da moeda estrangeira. Ela representa o preço da moeda externa em termos da moeda interna. A taxa de câmbio é determinada pelo mercado e pela política cambial do BC, que pode intervir no mercado de câmbio por meio de operações de compra e venda de moeda.
  • Taxa de desemprego: é a proporção da população economicamente ativa que está sem trabalho. Ela representa o nível de ocupação e renda das pessoas. A taxa de desemprego é calculada pelo IBGE, a partir da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua).

Como acompanhá-los?

Para acompanhar os indicadores econômicos, é preciso estar atento às fontes oficiais de divulgação dos dados, como os sites das instituições responsáveis pelos cálculos. Além disso, é importante consultar fontes confiáveis de análise e interpretação dos indicadores, como os relatórios de instituições financeiras, consultorias e órgãos de pesquisa.

Acompanhar os indicadores econômicos é fundamental para entender o cenário macroeconômico e as oportunidades e riscos que ele oferece. Com essas informações, é possível planejar melhor as ações e as estratégias de negócios, bem como tomar decisões mais embasadas e inteligentes.


Última atualização: 9 de outubro de 2023

Recomendamos:

Confira também

CARTÃO BMG CARD
A menor taxa de juros, sem anuidade
e possui diversas vantagens!
CARTÃO MAGALU
2% de cashback
Zero Anuidade
CARTÃO PICPAY
Zero anuidade e limite
pré-aprovado a partir de R$ 400.
CARTÃO SUPERDIGITAL
Passa no crédito,
mas debita na hora.